Ernesto Mastrascusa / EFE
Ernesto Mastrascusa / EFE

Economia de Cuba cresce abaixo do esperado

Governo tenta fazer mudanças ao estilo soviético, com o objetivo de criar um socialismo 'próspero e sustentável'

O Estado de S.Paulo

23 Julho 2018 | 09h03

HAVANA - A economia de Cuba cresceu menos que o esperado no primeiro semestre e a crise de liquidez levará ao aperto do cinto, alertou no domingo, 22, o presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, no encerramento da Assembleia Nacional, que debateu mudanças na Constituição cubana.

A nova Carta buscará manter o sistema socialista de partido único de Cuba, mas instituirá uma maior reorganização do governo e abrirá caminho para o reconhecimento das empresas privadas e dos direitos dos homossexuais. Essas mudanças agora serão debatidas publicamente até novembro antes de serem aprovadas em referendo.

O governo também está tentando fazer mudanças em sua economia ao estilo soviético, com o objetivo de criar um socialismo “próspero e sustentável”.

Desde que os preços do petróleo caíram em 2014 e a Venezuela – o maior aliado da ilha – começou a enfrentar uma grave crise econômica e falta de divisas, Caracas passou a enviar cada vez menos petróleo subsidiado ao regime cubano.

A economia cresceu 1,1% durante o primeiro semestre e 1,6% no ano passado. O governo cubano disse que necessita de um crescimento anual de 7% para se recuperar do colapso de 1991 da União Soviética – de quem dependia para enfrentar o embargo dos EUA – e mais recentemente da crise na Venezuela.

A queda nas receitas levou Cuba a adiar o pagamento a vários fornecedores e parceiros de joint-ventures nos últimos dois anos, admite o governo.

Díaz-Canel pediu no domingo ao país que trabalhe duro para melhorar a economia e “gradualmente restabelecer a credibilidade econômica do país”. Economistas cubanos estimam que a economia do país precisa de um crescimento anual de 3% para não quebrar. “A situação financeira permanece tensa, forçando a adoção de medidas adicionais para controlar os recursos no segundo semestre”, disse Díaz-Canel, citando o mau tempo, uma queda no turismo e nos ganhos de exportação.

O presidente cubano também pediu ao governo e à população que combatam a atividade de mercado negro. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.