Economia é maior preocupação

Crescimento do país é um dos menores da Europa

Lourival Sant'Anna, O Estadao de S.Paulo

11 de abril de 2008 | 00h00

Na variada platéia do encerramento de campanha de Silvio Berlusconi, havia muitos homens de gravata e meia-idade, como o empresário Marco Foggiani, de 51 anos, dono de uma transportadora. ''Voto em Berlusconi porque ele está do lado das empresas'', explicou Foggiani. ''O único que trabalha, ainda que não seja um grande político, e entende que, se as empresas vão bem, os trabalhadores vão bem e a economia cresce.''''O governo de centro-esquerda reduziu a Itália ao país que menos cresce na Europa'', continuou Foggiani. E no governo anterior de Berlusconi, que foi primeiro-ministro entre 2001 e 2006 (depois de um breve mandato em 1994)? ''As coisas iam bem, não fomos perturbados'', disse o empresário.''Com este, ao contrário, sofremos de tudo'', comparou Foggiani, referindo-se aos 20 meses de governo de centro-esquerda de Romano Prodi, que, na tentativa de diminuir a dívida pública, de 105% do PIB, atacou a alta evasão fiscal italiana. ''Agora, vamos dar uma chance nova à centro-direita.''Perto dali, segurando uma bandeira, o aposentado Rensetti Marino, de 64 anos, tinha uma forma menos elaborada de explicar seu apoio a Berlusconi. ''Ele dá o pão de cada dia, é garantido'', disse Marino, que foi funcionário da Alfândega de Milão. ''No governo anterior de Berlusconi, estávamos ''benissimo'''', assegurou. ''Neste ano e meio de Prodi, estivemos ''malissimo''.''MERCADONo comício de ontem, havia também uma considerável parcela de jovens. ''Estou com Berlusconi pela renovação da Itália e sobretudo por nós, jovens. Nossa situação é muito crítica'', disse a estudante de letras Michela Guelfi, de 23 anos.''Ele apresenta propostas importantes em relação à formação universitária e uma saída segura para o mercado de trabalho, ao contrário da esquerda, que saiu destruindo a Itália e provocando muitos danos principalmente para nós, jovens.''A paixão de muitos pelo seu líder de centro-direita era sintetizada pelo cartaz de um homem grisalho, que dizia: ''Perdoe-me, esposa, estou apaixonado por um homem - Silvio!''

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.