Economia e terror dominam encontro dos países da Ásia-Pacífico

Os 21 líderes do Fórum de Cooperação Ásia-Pacífico (Apec) se comprometeram neste domingo com o êxito das negociações na Organização Mundial do Comércio, a chamada Rodada de Doha, defenderam o desenvolvimento por meio do crescimento sustentável e igualitário e pediram o fortalecimento da luta contra o terrorismo.No fim da XII cúpula do Apec, no Chile, os representantes destes países reafirmaram "a primazia do sistema multilateral de comércio" e pediram "passos concretos para a ratificação e implementação de todos as convenções básicas universais contra o terrorismo".A declaração final afirma ainda o compromisso dos países no combate à epidemia da aids e a outras doenças contagiosas. Também prometeram transparência no combate à corrupção, segundo eles, uma das ameaças mais sérias para a governabilidade e o desenvolvimento. Eles apoiaram os esforços para concluir rapidamente a entrada da Rússia e do Vietnã na OMC.Os 21 países que formam o Apec representam uma população de mais de 2,5 bilhões de pessoas, e 47% do comércio mundial. O Apec, criado há 15 anos, é integrado por Austrália, Brunei, Canadá, Coréia do Sul, Chile, China, Estados Unidos, Filipinas, Hong Kong, Indonésia, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Papua Nova Guiné, Peru, Rússia, Cingapura, Taiwan, Tailândia e Vietnã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.