Economia hondurenha começa a se recuperar

Quarto país mais pobre das Américas, Honduras sofreu um duro revés com a crise institucional desencadeada pelo golpe de 2009, demonstram indicadores socioeconômicos recentes. Só agora, após quase dois anos da queda do presidente Manuel Zelaya, a economia hondurenha parece recuperar fôlego.

Roberto Simon, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2011 | 00h00

"O golpe representou um freio brusco em um processo de desenvolvimento - tímido, mas real - que vinha ocorrendo até 2009", afirma o brasileiro Sérgio Guimarães, chefe do Unicef em Honduras à época que estourou a crise. "A economia sofreu muito, a pobreza aumentou e os serviços básicos até agora não voltaram à normalidade." Mais de 60% dos hondurenhos vivem com menos de US$ 1 por dia.

Segundo dados da Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (Cepal), no ano do golpe - 2009 - registrou-se uma recessão de 1,9%, comparado a um crescimento de 4% no ano anterior. Em 2010, a taxa de crescimento chegou a 2,5%.

O temor de um colapso fizeram o FMI acertar com Honduras, em setembro, um pacote de ajuda de mais de US$200 milhões, além da adoção de reformas estruturais. Ampliou-se a taxação sobre a renda e foi adotado um imposto único, de 10%, sobre serviços.

Na sexta-feira, o FMI disse que Tegucigalpa cumpriu "com folga" as metas que colocadas para o primeiro trimestre de 2011. A previsão dos economistas é que Honduras cresça cerca de 3,5% este ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.