Economia palestina acumula prejuízos

Desde o início da nova intifada nos territórios ocupados, a economia da Autoridade Nacional Palestina (ANP) teve perdas de US$ 1,5 bilhão, de acordo com um informe das Nações Unidas (ONU) publicado ontem pelo jornal Haaretz. O relatório, preparado pelo representante especial da ONU para o Oriente Médio, Terje Larsen, afirma que cada dia do conflito e do fechamento dos territórios imposto por Israel desde que começou a revolta, em fins de setembro, corresponde um prejuízo de US$ 8,6 milhões. A estes custos se somam os da assistência médica a 11 mil palestinos feridos nos confrontos com o Exército israelense, os danos à infra-estrutura local e a queda na arrecadação de impostos. Em seu informe, Larsen cita um recente estudo do Banco Mundial, segundo o qual 32% da população palestina dos territórios vivem abaixo do nível de pobreza - um aumento de 50% em relação ao período anterior ao início da intifada. Larsen também assinalou que o desemprego afeta cerca de 250 mil palestinos que vivem nos territórios - ou seja, 38% da força de trabalho das zonas controladas pela ANP, liderada por Yasser Arafat.

Agencia Estado,

16 de fevereiro de 2001 | 01h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.