Economista conservadora substitui Fischer no FMI

A economista conservadora Anne Krueger tornou-se hoje a primeira mulher a ocupar um cargo de destaque na direção do Fundo Monetário Internacional (FMI) ao substituir Stanley Fischer como vice-diretor-gerente da instituição, o número 2 do Fundo. Australiana naturalizada americana, Krueger tem vínculos com os governos republicanos de Ronald Reagan e George W. Bush, que a indicou para o Conselho Econômico da Casa Branca. Em junho, foi escolhida pelo diretor do FMI, Horst Köhler.O cargo ganhou uma enorme responsabilidade na economia mundial desde que Fischer passou a atuar como bombeiro nas crises dos países emergentes. A renúncia de Fischer, três anos antes do fim de seu segundo mandato, ocorreu entre rumores de que o secretário do Tesouro americano, Paul O´Neill, que é contra os milionários resgates financeiros, teria pressionado o FMI. Os republicanos não veêm com bons olhos o americano Fischer.O novo perfil que Krueger dará ao cargo é um mistério, mas algumas pistas são dadas por seus livros e passado acadêmico. Ex- professora de economia Internacional de Stanford, na Califórnia, ela é um dos raros exemplos de economista especializada em desenvolvimento que segue as idéias republicanas, ainda que seu principal campo de estudo seja o comércio internacional.Krueger é defensora do livre comércio e se opõe a incluir cláusulas trabalhistas em acordos comerciais, o que pode provocar problemas com os grupos antiglobalização, que consideram o FMI como um de seus principais alvos. Mas, ao contrário da maioria dos republicanos, ela não é contra instituições multilaterias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.