Edifícios em complexo militar no Irã são destruídos

Imagens de satélite reforçam suspeitas que país está escondendo possíveis atividades relacionadas à criação de armas nucleares

Reuters,

31 Maio 2012 | 15h08

VIENA - Um grupo de estudo nos Estados Unidos lançou imagens de satélite que reforçam as suspeitas que o Irã está tentando destruir evidências de possíveis atividades relacionadas à criação de armas nucleares em um local onde os inspetores da ONU solicitaram acesso.

Veja também:

link Irã anuncia plano de segunda central nuclear em Bushehr

link Irã tem urânio suficiente para cinco bombas, diz especialista

O Instituto por Ciência e Segurança Internacional (ISIS, na sigla em inglês) publicou no site fotos logo depois de a agência nuclear da ONU apresentá-las aos diplomatas que, segundo enviados ocidentais, confirmaram a "higienização" no complexo militar de Parchin.

Veja fotos de complexo militar:

A região, que segundo o Irã é um complexo militar convencional, está no centro das acusações ocidentais de que a república islâmica está realizando pesquisas - provavelmente há uma década - que poderiam ajudá-la a criar bombas nucleares. Teerã nega a informação.

As novas imagens de satélite parecem confirmar as suspeitas de que a república islâmica está 'hieginizando' o espaço para acabar com provas incriminatórias antes de conceder acesso aos inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

Diplomatas ocidentais que participaram da reunião a portas fechadas em Viena disseram que os edifícios no complexo militar de Parchin foram eliminados e o ISIS indicou que as fotos de 25 de maio mostram que eles foram completamente destruídos. "Irã está preocupado que a agência possa encontrar algo alí. Caso contrário, não estaria conduzindo o processo de limpeza da região", declarou uma fonte do Instituto.

As fotos foram publicadas após um diálogo entre Teerã e as seis grandes potências na semana passada, que tentou resolver uma disputa nuclear que tem conduzido um endurecimento nas sanções contra o Irã.

A Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) pediu repetidas vezes o acesso a Parchin. Na semana passada, uma autoridade iraniana disse que a agência não apresentou razões suficientes para visitar o local.

O enviado iraniano à AIEA, Ali Asghar Soltanieh, negou que tenha havido alterações em Parchin, dizendo a repórteres em um encontro no dia 30 de maio que "essas informações e acusações são infundadas".

O Instituto por Ciência e Segurança Internacional , que publica pesquisas sobre a proliferação nuclear, declarou que as imágenes de satélites satelitales mostram "máquinas usadas em processos de demolição".

Os dois edifícios que aparentemente desapareceram - principais estruturas de interesse da AIEA - estavam intactos até abril, disse.

 

Mais conteúdo sobre:
Irã nuclear imagens satélite

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.