AP
AP

Ataque a tiros a edifícios públicos de Cancún deixa 3 mortos

Homens em motocicletas abriram fogo contra a Promotoria, a Secretaria de Segurança Pública e a Sede dos Bombeiros, entre outros

O Estado de S.Paulo

17 Janeiro 2017 | 21h20

CANCÚN, MÉXICO - Um grupo de homens armados atacou nesta terça-feira a tiros vários edifícios públicos na região central do balneário turístico de Cancún, no México, informaram fontes oficiais. Pelo menos três pessoas morreram no ataque.

Os criminosos, que estavam em motos, abriram fogo contra a sede da Promotoria do Estado de Quintana Roo para a região norte. Outros alvos foram os prédios da Secretaria de Segurança Pública e Trânsito, da sede dos Bombeiros e do Centro de Controle, Comando, Cômputo e Comunicações (C4) de Cancún, disseram as fontes à agência EFE.

O ataque, realizado por volta das 16 horas (19 horas de Brasília), ocorreu apenas um dia depois de um homem abrir fogo em uma boate da cidade turística de Playa del Carmen, na Riviera Maya, provocando um tiroteio que deixou 5 mortos e 15 feridos.

Os edifícios públicos atacados se encontram na mesma área sobre as avenidas Xcaret e Kabah, onde os disparos provocaram pânico entre os pedestres. De acordo com as fontes policiais, a região já foi isolada pelas forças de segurança.

Cancún é um dos principais destinos de praia do México e a porta entrada da Riviera Maya, no Caribe mexicano.

No ataque ocorrido na madrugada de segunda-feira morreram cinco pessoas; um canadense que trabalhava como supervisor de segurança do festival de música eletrônica BPM, um italiano, dois mexicanos do Estado de Veracruz e uma mulher americana.

Segundo Carlos Joaquín González, governador de Quintana Roo, Estado do qual Cancún é capital, as primeiras investigações apontam que o tiroteio começou por uma briga entre duas pessoas, mas várias testemunhas se referiram a uma disputa pela venda de drogas na cidade turística.

Na madrugada desta terça-feira apareceu pendurada na via publica uma mensagem ameaçadora em um lençol, na qual o cartel de drogas de Los Zetas assumia a autoria do ataque à boate em Playa del Carmen. / EFE

Mais conteúdo sobre:
CANCÚNMÉXICOCaribe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.