Editora demite a produtora do livro de J.O. Simpson

A casa editorial HarperCollins demitiu sem maiores explicações a produtora Judith Regan, que organizava a publicação de um livro no qual o ex-atleta O.J. Simpson descreve como teria matado sua esposa, se a tivesse matado.Em um anúncio breve, a diretoria da HarperCollins, JaneFriedman, disse ontem que "o trabalho de Judith Regan terminou de forma imediata".No meio do ano Regan havia anunciado que publicaria o livro na "ReganBooks", uma subsidiaria da HarperCollins, empresa que pertence ao grupo News Corporation de Rupert Murdoch, o livro de O.J.Simpson entitulado If I Dit It (Se eu tivesse feito isso).Orenthal James Simpson foi um destacado jogador de futebol e ator de cinema cuja fama como uma dos melhores defensores da história deste esporte ficou obscurecida pela morte de sua ex-mulher Nicole Brown Simpson e de um amigo dela, Ronald Goldman, em 1994.Ambos foram assassinados e, após um longo julgamento que fascinou boa parte dos Estados Unidos, um tribunal declarou que não havia provas para condenar Simpson pelo crime.Em 1997, um júri civil declarou Simpson responsável pelas mortes de Nicole e Goldman e ordenou que ele pagasse uma compensação financeira pelo crime. Simpson não pagou.O anúncio de que em seu livro Simpson descreveria com detalhes os assassinatos como se ele os tivesse cometido, causou uma grande polêmica nos Estados Unidos e em novembro passado, a News Corporation assinalou que cancelaria sua publicação e ao mesmo tempo cancelou uma longa entrevista realizada com Simpson e que seria exibida no canal FOX de televisão, que também pertence ao grupo.Em um artigo intitulado Por que o fiz, meses atrás, Judith Regan explicou que ela mesma havia sofrido abuso e afirmou que havia sentido "o espírito" das vítimas de Simpson na casa quando falou com o homem. "Quando eu era jovem fui abusada por um namorado e creio que a confissão de Simpson sobre os assassinatos, ainda que de maneira hipotética, ajudará a sanar as feridas das vítimas de todo o mundo", afirmou em entrevista a rede te televisão MSNBC. O ex-namorado de Judith rechaçou as alegações de abuso físico."Tomei a decisão de publicar este livro, e de sentar-me cara a cara com o assassino", disse Judith, "porque queria que ele e todos os homens que arruinaram meu coração e vossos corações, digam a verdade, confessem seus pecados, façam penitência e emendem suas vidas".HarperCollins assegurou que a Regan Books vai continuar existindo e seus empregados trabalhando na editora.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.