Eduardo Bolsonaro/Facebook
Eduardo Bolsonaro/Facebook

Eduardo Bolsonaro nega atuação em ataque ao Congresso dos EUA

Filho do presidente diz que não participou de reunião em Washington, na noite anterior à invasão do Capitólio

Raquel Scapa / Especial para o Estadão , O Estado de S.Paulo

08 de março de 2021 | 20h29

JERUSALÉM - O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) negou nesta segunda-feira, 8, ter participado de uma “reunião secreta” nos Estados Unidos no dia 5 de janeiro, onde teria sido discutida a invasão de militantes aliados do então presidente Donald Trump ao Capitólio, no dia seguinte.

“Eu queria ser tão poderoso como falam que eu sou”, disse o deputado, que está em viagem a Israel com uma comitiva do governo brasileiro. A suposta participação de Eduardo foi citada em reportagem no fim de semana no site americano de jornalismo investigativo Proof

O deputado afirma que estava em Washington tentando agendar uma reunião com Jared Kushner, o genro de Trump. Ele sustenta que, como Kushner estava em viagem, numa missão para o Oriente Médio, ele teria sugerido a Eduardo que se reunisse com sua mulher, Ivanka. “Ivanka, inclusive, segurou minha bebê no colo”, disse o deputado. A foto foi postada por Eduardo nas redes sociais.

A reunião com Ivanka, na Casa Branca, foi a respeito das iniciativas conservadoras que o deputado lidera no País. “Estamos levando para o Brasil o CPAC (conferência de ação política conservadora), que é o maior movimento conservador do mundo, ainda este ano, em junho.”

Eduardo fez críticas ao ato de grupos pró-Trump, em janeiro. “Foi um movimento desorganizado. Foi lamentável. Ninguém desejava que isso ocorresse”, disse. De acordo com ele, a invasão não serviu de nada, pois não havia um plano de ação elaborado. 

“Se fosse organizada, teriam tomado o Capitólio e feito reivindicações que já estariam previamente estabelecidas pelo grupo invasor. Eles teriam um poder bélico mínimo para não morrer ninguém, matar todos os policiais lá dentro ou os congressistas que eles tanto odeiam. No dia em que a direita for 10% da esquerda, a gente vai ter guerra civil em todos os países do Ocidente”, disse Eduardo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.