Tobias Schwarz/Reuters
Tobias Schwarz/Reuters

Efeito político de austeridade marca novo rumo econômico da UE

Comemorada desde 1985, data celebra proposta feita pelo político Roberto Schuman de criar comunidade para unir continente

Efe,

09 Maio 2012 | 14h25

BRUXELAS - O crescimento da economia e os efeitos políticos das medidas de austeridade, que fizeram com que a maioria dos governos europeus anteriores à crise saíssem derrotados das urnas, marcaram nesta quarta-feira, 9, o Dia da Europa.

A data, comemorada desde 1985, celebra a Declaração Schuman, proposta feita pelo político Roberto Schuman, em 9 de maio de 1950, de criar uma comunidade para unir o continente no pós-guerra, o que deu origem à União Europeia (UE).

A receita de austeridade como única forma de combater a crise levou a mudanças de governos em países como a França e despertou extremismos de esquerda e direita em meia Europa. Por isso, a UE adotou como plano B um plano que alie disciplina fiscal com políticas de investimento.

Em 23 de maio, os líderes da UE celebrarão uma cúpula extraordinária que será a estreia da dupla "Merkollande", formada pela chanceler alemã, Angela Merkel, e o novo presidente da França, François Hollande.

"A austeridade não pode se transformar numa condenação fatalista", disse o socialista Hollande após vencer neste domingo as eleições presidenciais francesas, que podem ser interpretadas como um voto de reprovação às políticas econômicas capitaneadas pela dupla "Merkozy" (a chanceler alemã e o presidente em fim de mandato Nicolas Sarkozy).

Suas palavras poderiam ser incluídas no discurso desta quarta-feira do presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, quem afirmou que a "Europa não é uma ameaça para o emprego, mas sim uma fonte de emprego".

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, antecipou o conteúdo da cúpula extraordinária defendendo uma aposta no crescimento por meio de um "pacto político", um novo "Plano Marshall" para a Europa, que no entanto, segundo ele, não poderá deixar de lado as reformas estruturais.

Já o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, fez um apelo pela união e a solidariedade da UE, lembrando o espírito da Declaração Schuman. "Só juntos poderemos combater a piora da economia e alta do desemprego", acrescentou.

As últimas eleições da Europa foram marcadas pelo aumento das opções políticas extremistas, como da candidata Marine Le Pen, na França, ou do partido neonazista Amanhecer Dourado, na Grécia.

Esta tendência também foi sentida na Holanda, onde recentemente o governo liderado pelo conservador Mark Rutte renunciou após o radical Geert Wilders, líder do anti-islâmico Partido para a Liberdade, retirar seu apoio para as reformas econômicas exigidas pela UE para que o país cumpra com as metas de déficit fiscal.

"Se queremos sobreviver na Europa temos que aprender a atuar de mãos dadas. Os interesses dos europeus não podem mais ser separados", afirmou Schulz, que criticou os extremismos e a onda de ceticismo no continente.

O político socialista alemão frisou que a UE trouxe para a Europa o maior período de estabilidade, paz e progresso social desde a Segunda Guerra Mundial.

Apesar da celebração do Dia da Europa, apenas um terço dos 754 deputados estavam presentes no plenário da Eurocâmara, em Bruxelas.

Todos os partidos, menos os conservadores e os eurocéticos, aprovaram que a UE siga o caminho do crescimento, e alertaram para as consequencias do desinteresse político dos europeus em função da crise.

Guy Verhofstadt, presidente do grupo liberal, lamentou que os líderes europeus "realizem o Dia da Europa ao invés de se conscientizaram de seu fracasso para sair da crise".

Já o líder do partido Verde, Daniel-Cohn Bendit, advertiu que o xenofobismo ira crescer na Europa se for dito ao "povo que não há alternativas aos ajustes".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.