EFE/EPA/NEIL HALL
EFE/EPA/NEIL HALL

Efeitos do Brexit no Reino Unido se acentuam após controle da pandemia

Até agora, o governo culpou a covid por uma onda de escassez. Mas, à medida que as restrições diminuem, o foco está mudando para a saída do Reino Unido da UE

Mark Landler, The New York Times, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2021 | 15h00

LONDRES - Poucas coisas têm maior probabilidade de causar estragos em Downing Street do que o provável vencedor de uma eleição alemã declarando que o Brexit é a razão pela qual os britânicos estão fazendo fila em postos de gasolina como em 1974.

Olaf Scholz, o líder do Partido Social-Democrata alemão, disse na segunda-feira que a liberdade de movimento garantida pela União Europeia teria aliviado a escassez de caminhoneiros no Reino Unido que impede as petrolíferas de abastecer postos de gasolina em todo o país.

“Trabalhamos muito para convencer os britânicos a não deixarem a UE”, disse Scholz, quando questionado sobre a crise no Reino Unido. “Mas eles decidiram diferente, e espero que administrem os problemas decorrentes disso.”

Para as pessoas comuns, a crítica de Scholz também pode parecer notícia velha. O Reino Unido não está mais debatendo o Brexit. Quase todos estão exaustos do problema e do país, como o resto do mundo, consumido pela pandemia.

Mas o coronavírus e os meses de paralisação econômica que ele forçou também mascararam as formas como o Brexit desorganizou o comércio. Esse disfarce caiu no fim de semana passado, quando os postos de gasolina em todo o país começaram a ficar sem gasolina, gerando pânico e filas enormes de motoristas em busca de combustível.

Embora seja errado culpar o Brexit por uma crise com ramificações globais, existem causas específicas que são indiscutíveis: do déficit estimado de 100.000 caminhoneiros, cerca de 20.000 são motoristas não britânicos que deixaram o país durante a pandemia e não voltaram por causa de requisitos mais rígidos de visto pós-Brexit para trabalhar no país, que entraram em vigor este ano.

O primeiro-ministro Boris Johnson reconheceu isso quando reverteu o curso no fim de semana passado e ofereceu 5.000 vistos de três meses para motoristas estrangeiros para tentar reabastecer os postos (enquanto também colocava motoristas militares de prontidão para dirigir caminhões de combustível, um movimento que ele ainda não fez.)

“Há um modelo de negócios baseado em sua capacidade de contratar trabalhadores de outros países”, disse David Henig, especialista em política comercial do Centro Europeu para Economia Política Internacional, um instituto de pesquisa. “Você repentinamente reduziu seu mercado de trabalho para um oitavo do tamanho de antes. Há um efeito Brexit nos modelos de negócios que simplesmente não tiveram tempo de se ajustar.”

Johnson alertou que as interrupções no fornecimento podem durar até o Natal, embora na quarta-feira os problemas mais graves nos postos de gasolina tenham começado a diminuir. O governo espera que os padrões normais de compra sejam retomados, agora que os compradores nervosos encheram seus tanques.

Esta não é a primeira ruptura comercial a atingir o Reino Unido desde que ele deixou o mercado único em 2020. Os produtores britânicos de moluscos perderam mercados inteiros na União Europeia por causa de novas regulamentações sanitárias. Os consumidores britânicos foram sacudidos por pesadas tarifas alfandegárias sobre café da Itália.

Mas é a primeira interrupção a ocorrer desde que a vida voltou a uma aparência de normalidade após 18 meses de restrições forçadas pela pandemia. As escolas estão abertas; os trabalhadores estão se deslocando para os escritórios; os estádios esportivos ficam lotados nos fins-de-semana. Nesse sentido, é a primeira crise pós-Brexit que não foi mascarada pelos efeitos do coronavírus.

Também é geograficamente seletiva. Postos de gasolina na Irlanda do Norte, que tem uma fronteira aberta com a República da Irlanda (um membro da União Europeia), não estão relatando pânico. Da mesma forma, a Irlanda do Norte não foi afetada pela recente escassez no fornecimento de dióxido de carbono porque suas fábricas de engarrafamento de refrigerante tinham acesso a remessas da Europa continental.

Apesar de tudo, o Brexit tem aparecido notavelmente pouco na discussão pública. Em parte, isso reflete uma ressaca pandêmica. Em parte porque outros países, da Alemanha aos Estados Unidos, também estão lidando com interrupções na cadeia de suprimentos, escassez de mão de obra e aumento dos preços do petróleo e do gás.

Mas também reflete a natureza calcificada do debate sobre a saída do Reino Unido da União Europeia. Depois de quatro anos e meio de rivalidade, mesmo os oponentes mais fervorosos do Brexit mostram pouco apetite para voltar a brigar sobre o referendo de 2016. E os Brexiteers invariavelmente encontram outros culpados pelas más notícias.

“Os defensores do Brexit sempre acreditarão que o Brexit estava certo, e que foram os políticos pérfidos que bagunçaram as coisas”, disse Tony Travers, professor de política da London School of Economics. “Eles também tiveram sorte porque podem culpar a pandemia por tudo.”

Jornais pró-governo reconhecem que o Brexit contribuiu para a escassez de mão de obra. Mas eles colocaram mais ênfase na necessidade do governo de mostrar competência em lidar com a crise do que nos obstáculos estruturais impostos pelo novo status do Reino Unido. Em um editorial na terça-feira, o The Times de Londres alertou Johnson que a crise pode abalar a confiança em seu governo.

“Não há nada mais visceral do que o medo de não ser capaz de colocar as mãos nas necessidades básicas da vida”, disse o Times. “O que o público verá é um governo que perdeu o controle. E para um governo eleito com a promessa de retomar o controle, isso é particularmente prejudicial ”.

Para Johnson, o precedente preocupante é o governo trabalhista do primeiro-ministro Tony Blair. Durante duas semanas em 2000, ele viu sua liderança nas pesquisas de opinião pública evaporar quando caminhoneiros bloquearam refinarias para protestar contra o aumento do preço do petróleo, desencadeando uma crise de abastecimento de combustível não muito diferente da atual.

Em uma entrevista à televisão, Johnson tentou acalmar os nervos na terça-feira, dizendo que a escassez de mão de obra era um problema global e não fez menção ao Brexit. “Gostaria apenas de recomendar a todos que tratem de seus negócios de maneira normal e abasteçam da maneira normal, quando realmente precisarem”, disse ele.

O apoio público ao Brexit aumentou um pouco nas pesquisas no início deste ano, após a campanha bem-sucedida de vacinação contra o coronavírus no Reino Unido. Alguns atribuíram a capacidade do governo de garantir vacinas e obter aprovação rápida delas à sua independência da burocracia em Bruxelas.

Os políticos pró-Brexit usaram um argumento semelhante para justificar a reviravolta de Johnson sobre os vistos. Inicialmente, o governo recusou a ideia porque disse que uma competição maior por mão de obra aumentaria os salários dos motoristas britânicos. Agora, o Brexit aumentou a capacidade do Reino Unido de receber estrangeiros em seus próprios termos.

“A capacidade de emitir mais vistos se e quando nossa economia precisar deles é exatamente o que significa 'retomar o controle'. Claro que devemos fazer isso! ” Liam Fox, um membro conservador do Parlamento que atuou como secretário de comércio da primeira-ministra Theresa May, disse em um post no Twitter.

Isso pressupõe que os estrangeiros estejam dispostos a aceitar os termos do governo, que, no caso dos vistos dos caminhoneiros, incluem um limite de três meses que pode afastar muitos motoristas em potencial.

Para o Partido Trabalhista, que está realizando sua conferência anual no balneário de Brighton esta semana, a crise do combustível deve ser uma excelente oportunidade para mostrar as falhas do governo. No entanto, com algumas exceções, os líderes do partido não conseguiram se fazer ouvir - uma reminiscência de debates anteriores, onde as profundas divisões do partido dificultaram sua capacidade de enfrentar o governo.

“Fiquei surpreso com a relutância do Partido Trabalhista em se aproveitar da crise”, disse Anand Menon, professor de política europeia do Kings College London. “Você pode aludir ao Brexit sem dizer o termo Brexit. Você pode dizer que é tudo culpa da política comercial de lixo dos Conservadores.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.