Egípcios exigem julgamento de responsáveis por naufrágio

Entoando slogans contra o governo, um grupo de aproximadamente 30 pessoas exigiu um rápido julgamento dos responsáveis pelo naufrágio do navio "Al-Salaam Boccaccio 98", que no dia 3 de fevereiro deixou mil pessoas mortas ou desaparecidas no Mar Vermelho.Familiares das vítimas culpam o governo egípcio e os donos do navio por negligência, demora no resgate e falha ao tomar medidas de segurança. O governo promete uma investigação justa e responsável, mas muitos não acreditaram.Durante o protesto, houve conflitos entre policiais e manifestantes. Um deles, Mohammed el-Sharqawi, disse que policiais o espancaram com cassetetes e esguicharam um líquido azul em seus olhos. Ele afirma que até agora está enxergando mal.Outros também foram atacados e alguns, presos. Um oficial de segurança (que não quis se identificar pois está proibido de falar com a imprensa) negou abuso de força por parte da polícia. Ele disse, ainda, que os policiais prenderam apenas um manifestante que agrediu um guarda.O "Al-Salaam Boccaccio 98" afundou no começo do mês após um incêndio. Ele transportava aproximadamente 1,4 mil pessoas, entre elas muitos trabalhadores egípcios que retornavam da Arábia Saudita e do Golfo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.