Egípcios voltam às ruas e exigem saída de Mubarak

Centenas de milhares de pessoas - uma das estimativas fala em 250 mil - reuniram-se ontem na Praça Tahrir, talvez na maior manifestação no centro do Cairo desde que os protestos contra o presidente Hosni Mubarak começaram, há duas semanas.

AE, Agência Estado

09 de fevereiro de 2011 | 08h21

A massa compacta de pessoas de todos os estilos - religiosos, liberais, trabalhadores, classe média, jovens, velhos, mulheres e crianças - foi uma resposta eloquente às garantias do governo de que já tem um plano para uma saída negociada e de que não vai punir os manifestantes.

Os organizadores haviam anunciado na segunda-feira que tentariam concentrar o maior número de pessoas ontem e na sexta-feira, dia do descanso semanal muçulmano, para expressar a rejeição às ofertas do governo pelos manifestantes. A oposição afirma não aceitar nada a menos do que a saída imediata de Mubarak, no poder há 30 anos.

Em público, Omar Suleiman demonstra confiança no diálogo com a oposição. "Um mapa da estrada claro foi desenhado, com um cronograma para realizar a transferência de poder pacífica e organizada", disse ontem o recém-nomeado vice-presidente, que antes chefiava o temido serviço secreto egípcio. Procurando aplacar um receio dos manifestantes, Suleiman prometeu que não haverá represálias contra eles depois que deixarem a praça.

Essas promessas são recebidas com ceticismo pelos manifestantes e pela oposição, depois de 30 anos de ditadura, sob leis de emergência - que Suleiman também promete rever. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.