Egito acha sarcófago intacto de 4500 anos

O Conselho Superior de Antiguidades do Egito anunciou ontem a descoberta do "mais antigo sarcófago intacto do mundo", perto das pirâmides de Gizé. Segundo o diretor do órgão governamental egípcio, Zahi Hawass (foto), o sarcófago deve conter a múmia de Neni Sout Wizart, que viveu na quarta dinastia faraônica (governou o Egito entre os anos 2575 e 2150 a.C.) e foi o mais importante supervisor dos trabalhadores que construíram a pirâmide de Queops. O sarcófago de pedra, de dois metros de comprimento e um de largura, foi desenterrado por uma equipe de arqueólogos a dois quilômetros a sudeste da Esfinge. "Este é o sarcófago intacto mais antigo jamais encontrado. Tem 4.500 anos, remontando à época do reinado de Kufu (Queops), o construtor da grande pirâmide", disse Hawass. "Quando abrirmos a tumba, não esperamos encontrar ouro ou tesouros, mas a múmia. Tudo indica que ela está no sarcófago. Será a primeira múmia descoberta no interior das tumbas dos construtores das pirâmides." Hawass salientou que a descoberta "prova a hipótese de que as pirâmides foram construídas por egípcios e não por pessoas de uma civilização perdida ou mesmo por extraterrestres, como assinalam certas teorias". Disse também que "os trabalhadores das pirâmides não eram escravos (como também assinalam algumas teorias) porque suas tumbas foram construídas perto das pirâmides e preparadas para a eternidade, como as dos faraós e das rainhas". Até agora, haviam sido descobertas mais de 120 tumbas de trabalhadores nas proximidades das pirâmides de Queops, Quefren e Miquerinos, mas nenhuma delas com um sarcófago intacto e selado. O sarcófago foi encontrado sábado, no fundo de um dos quatro poços funerários que faziam parte da tumba de Wizart, o mais importante dos inspetores da construção da pirâmide de Queops.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.