Egito adverte aos EUA que Iraque não é o Afeganistão

O Iraque não é o Afeganistão e uma guerra dos EUA contra o Iraque seria desastrosa para todo o mundo, advertiu hoje o presidente egípcio, Hosni Mubarak. Voltando de uma viagem à Arábia Saudita, onde conversou com o príncipe herdeiro Abdullah, Mubarak pediu ao mundo para "tratar com seriedade a situação a fim de evitar uma explosão" no Oriente Médio. "O Iraque não é o Afeganistão, nem em sua geografia nem em sua posição nem em seu povo", disse Mubarak num comunicado divulgado pela Agência de Notícias do Oriente Médio. "O mundo deve entender isso e tentar evitar se jogar numa guerra por interesses estreitos. A guerra é uma enorme catástrofe e irá afetar não apenas a região. Suas consequências se espalharão para envolver todo o mundo".Mubarak conversou com o governante de fato da Arábia Saudita sobre a deterioração da situação no Oriente Médio e a "aceleração de eventos que pode resultar em um final desfavorável", segundo a agência oficial de notícias saudita.O ministro do Interior da Arábia Saudita, príncipe Nayef, disse em Riad que os Estados Unidos usam dois pesos e duas medidas, impedindo que o Iraque e outros países árabes adquiram armas de destruição em massa enquanto permite que Israel as possua. "Israel, que ameaça a segurança da região e o mundo, tem essas armas", disse Nayef, acrescentando que a Arábia Saudita é contra que qualquer país possua armas de destruição em massa.Israel não assinou o Tratado de Não Proliferação Nuclear nem permite inspeções internacionais em suas instalações. O governo israelense recusa-se a discutir sua capacidade nuclear, mas a CIA estima que o Estado judeu possua de 200 a 400 armas nucleares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.