Bela Szandelszky/AP
Bela Szandelszky/AP

Egito aguarda resultado de eleições em meio a protestos no Cairo

Sucesso dos islamistas seria a reafirmação de uma tendência no Norte da África

MARWA AWAD E TAMIM ELYAN, REUTERS

02 de dezembro de 2011 | 10h23

CAIRO - O Egito saberá o resultado das eleições legislativas nesta sexta-feira, 2/12, com a provável vitória dos partidos islamistas, enquanto manifestantes se reuniam no centro do Cairo para lembrar as 42 pessoas que foram mortas em confrontos com a polícia no mês passado.

O sucesso dos islamistas na votação do país mais populoso do mundo árabe seria a reafirmação de uma tendência no Norte da África. Islamistas moderados estão governando o Marrocos e a Tunísia - cujo governo anterior foi derrubado por um levante popular - após vitórias eleitorais nos últimos dois meses.

Os egípcios, que estão votando pela primeira vez desde que oficiais do Exército derrubaram o rei em 1952, pareciam estar dispostos a dar uma chance aos islamistas. "Já tentamos todo mundo, então por que não tentar a sharia (lei islâmica) uma vez?", disse Ramadan Abdel Fattah, de 48 anos, um funcionário público.

A composição exata dos membros do Parlamento só será conhecida quando o demorado processo eleitoral do Egito for encerrado em janeiro. O novo legislativo poderá desafiar o poder dos generais que assumiram o poder em fevereiro, depois que uma revolta popular derrubou o então presidente Hosni Mubarak, ex-comandante da força aérea.

Os resultados da primeira etapa das eleições devem ser divulgados ainda nesta sexta-feira.

O conselho militar que atualmente governa o país e está sob pressão para entregar o poder aos civis, tem dito que manterá seus poderes para nomear ou destituir um gabinete. A Irmandade Muçulmana, o grupo islamista mais antigo do Egito, pareceu ter voltado atrás em um comunicado do chefe do partido esta semana, no qual dizia que a maioria no Parlamento deveria formar um governo.

Alguns egípcios temem que a Irmandade possa tentar impor restrições islâmicas em um país dependente do turismo, e onde 10 por cento da população de 80 milhões de pessoas é da minoria cristã copta.

Mas a Irmandade, com profundas raízes na sociedades egípcia desde 1928, diz que suas prioridades são o fim da corrupção, a revitalização da economia e a estabilização de uma verdadeira democracia no Egito.

Manifestantes jovens também participaram do protesto desta sexta=feira para lembrar os "mártires" e reforçar sua demanda pela renúncia imediata da junta militar.

As manifestações ocorreram após as orações de sexta-feira na Praça Tahrir, epicentro da oposição contra o governo do Muabarak.

Tudo o que sabemos sobre:
EGITOELEICOESAGUARDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.