Egito aumenta segurança em igrejas para o Natal dos coptas

Policiais egípcios vão ser enviados para igrejas ao redor do país com ordens de usar munição real para proteger os cristãos coptas durante o feriado de Natal deles, disse nesta segunda-feira o Ministério do Interior.

Reuters

06 de janeiro de 2014 | 13h33

Dezenas de igrejas e propriedades cristãs foram atacadas em agosto, o mês seguinte à derrubada do presidente Mohamed Mursi pelo Exército.

Desde então, embora maiores retaliações contra cristãos (dez por cento da população egípcia) não terem sido frequentes, a retórica anticristã de islâmicos se intensificou, e as autoridades estão em alerta por conta da possibilidade de ataques.

A relação de Mursi, quando presidente, com a Igreja Copta foi ruim. O papa Tawadros acusou o islâmico presidente eleito, de negligenciar a comunidade. Tawadros apoiou a derrubada de Mursi.

Como parte da repressão contra o movimento islâmico desde a queda de Mursi, o Estado passou a considerar a Irmandade Muçulmana do ex-presidente uma organização terrorista, depois de um atentando suicida contra uma instalação policial no mês passado, pelo qual um grupo extremista assumiu a responsabilidade.

A Irmandade nega ter vínculos com a violência. De cinco a dez policiais estarão em cada igreja coopta, e eles irão impedir que veículos estacionem na área em volta das igrejas, segundo fontes.

(Reportagem por Maggie Fick)

Tudo o que sabemos sobre:
EGITOCOPTASSEGURANCA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.