Egito avalia dissolução da Irmandade Muçulmana

Autoridades egípcias consideram a possibilidade de banir a Irmandade Muçulmana, afirmou hoje um porta-voz do governo, num gesto que mais uma vez deixaria à margem da lei um grupo que estava no poder há apenas pouco mais de um mês.

Agência Estado

17 de agosto de 2013 | 13h21

O anúncio veio depois de forças de segurança desfazerem na última quarta-feira, 14, dois acampamentos de manifestantes que pediam a reintegração do presidente Mohammed Morsi, um líder da Irmandade que foi deposto num golpe de Estado em 3 de julho. Conflitos entre policiais e simpatizantes de Morsi causaram quase 800 mortes no Egito nos últimos dias, 173 das quais apenas nas últimas 24 horas.

O porta-voz do gabinete egípcio, Sherif Shawki, informou que o primeiro-ministro Hazem el-Beblawi, que lidera o atual governo apoiado por militares, atribuiu ao Ministério da Solidariedade Social a tarefa de estudar formas legais de dissolver o grupo. Shawki não deu mais detalhes sobre a iniciativa.

Fundada em 1928, a Irmandade Muçulmana chegou ao poder há um ano, quando Morsi foi eleito na primeira votação livre do país. A eleição ocorreu após a derrubada do ex-ditador Hosni Mubarak por um levante popular, em 2011. O grupo fundamentalista islâmico foi proscrito durante a maior parte da sua história de 80 anos e submetido a sanções durante o governo de Mubarak.

Desde a deposição de Morsi, seguidores da Irmandade vêm intensificando os enfrentamentos com forças da nova liderança. Os islâmicos convocaram uma semana de protestos contra o governo, em desafio ao estado de emergência recentemente declarado no país. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Irmandade MuçulmanaEgitodissolução

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.