Egito bloqueia túneis com Gaza e pressiona Hamas

Presidente egípcio exige que grupo islâmico entregue 3 militantes radicais suspeitos de participar de ataque que matou 16 guardas

CAIRO, O Estado de S.Paulo

10 de agosto de 2012 | 03h03

O governo do Egito pediu ontem ao Hamas a entrega de três dos integrantes do movimento islâmico palestino que controla a Faixa de Gaza. O Cairo acusa o grupo palestino de ajudar os terroristas com base na Península do Sinai a realizarem uma série de ataques nos últimos meses. O país árabe também começou a bloquear os túneis usados por contrabandistas palestinos de armas e mercadorias em Rafah.

Segundo o jornal palestino Al-Quds, que cita uma fonte do governo do presidente egípcio, Mohamed Morsi, o premiê palestino em Gaza, Ismail Haniyeh, e seu braço direito, Mahmoud al-Zahar, receberam um ofício do governo egípcio com a solicitação de entrega dos militantes. De acordo com a fonte, o pedido não está relacionado diretamente com o ataque.

O Hamas se comprometeu a atender a entregar os militantes, identificados por fontes do Hamas como Ayman Nufal, Raed al-Atar e Mohamed Abu Shmala. Eles fariam parte das Brigadas de Al-Qassan, o braço armado do movimento islâmico. Nufal fugiu de uma prisão egípcia em fevereiro do ano passado, durante as revoltas que levaram à queda do ditador Hosni Mubarak.

Os três militantes pediram ao Hamas para serem interrogados pela inteligência egípcia em Gaza, porque temem as prisões do país vizinho.

Túneis. Desde a vitória do Hamas nas eleições palestinas de 2006, Mubarak havia fechado a passagem de Rafah. Em 2011, após a derrocada do líder egípcio, ela foi reaberta. Agora, engenheiros egípcios receberam ordens para planejar uma destruição eficaz dos túneis usados para driblar o fechamento da fronteira. Escavadeiras e blindados foram enviados para proteger o posto de Rafah.

Militantes palestinos criticaram o governo egípcio por impor uma punição coletiva aos moradores de Gaza com o fechamento da passagem. Cerca de 800 pessoas transitam por dia no posto fronteiriço, a maioria para fazer compras do lado egípcio.

Haniyeh pediu a reabertura do posto fronteiriço de Rafah, a única saída do território palestino que não é controlada por Israel.

"Peço a meu irmão Mohamed Morsi para reabrir essa linha vital para Gaza", disse o premiê do Hamas. "Gaza nunca poderia ser nada além de uma fonte de estabilidade para o Egito." Na quarta-feira, Morsi ordenou uma série de ataques aéreos contra terroristas que atuam no Sinai.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.