Suhaib Salem/Reuters
Suhaib Salem/Reuters

Egito celebra aniversário da 'Sexta-feira da Fúria'

Dia foi marcado por comemoração na Praça Tahrir; protesto há um ano foi crucial para a revolução

Agência Estado

27 de janeiro de 2012 | 09h53

CAIRO - Cerca de 10 mil egípcios reuniram-se nesta sexta-feira, 27, na Praça Tahrir, no centro do Cairo, para marcar o primeiro ano da chamada "Sexta-feira de Fúria", dia crucial para o levante popular que derrubou o presidente Hosni Mubarak. No ano passado, as forças de segurança agrediram manifestantes na praça, matando e ferindo centenas. Milhões de egípcios foram às ruas na ocasião, pedindo democracia e reformas sociais.

 

Veja também:
especialMAPA: 
A revolta que abalou o Oriente Médio
mais imagens OLHAR SOBRE O MUNDO: Imagens da revolução
tabela ESPECIAL: Um ano de Primavera Árabe 

 

Um ano depois, os políticos islâmicos e os liberais mostram-se divididos. A Irmandade Muçulmana venceu as eleições parlamentares e nota que o governo militar prometeu entregar o poder após as eleições presidenciais marcadas para junho. Já os liberais suspeitam que os militares querem manter algum poder e prometem manter os protestos. Além disso, exigem julgamentos para os membros do conselho militares responsáveis pelas mortes de manifestantes nos últimos meses.

 

Gritos de "abaixo o conselho militar" e pedidos de vingança pela morte de manifestantes foram ouvidos na praça nesta sexta-feira. "Nós não podemos celebrar quando não há justiça para aqueles que foram mortos", afirmou Amr Sayyed, de 30 anos. "A Irmandade Muçulmana fala de justiça, mas não sobre como ou quando."

 

Na quarta-feira, centenas de milhares de pessoas se reuniram na Praça Tahrir para marcar o primeiro aniversário do início do levante. A manifestação foi pacífica. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.