Amr Nabil/AP
Amr Nabil/AP

Egito: centenas de manifestantes seguem acampados na Praça Tahrir

Organização que representa oito partidos e nove movimentos políticos, manterá acampamentos na praça

Efe,

26 de janeiro de 2012 | 08h14

CAIRO - Centenas de manifestantes decidiram permanecer acampados na Praça Tahrir, no Cairo, para exigir que a Junta Militar que governa o Egito transfira imediatamente o poder a uma autoridade civil, depois de terem celebrado nesta quarta-feira, 25, o primeiro aniversário do início da revolução.

 

Veja também:

linkONU pode votar resolução contra a Síria na próxima semana

linkEgípcios comemoram aniversário de levante

tabela ESPECIAL: Um ano de Primavera Árabe

Dezenas de tendas lotam o centro e as laterais da praça, cujos acessos foram reabertos ao trânsito de veículos nesta quinta, segundo constatou a Agência Efe.

Um grande engarrafamento provocado pela proliferação de manifestantes testava a paciência dos motoristas, que tentavam avançar para chegar ao trabalho.

A Polícia não está presente na Praça Tahrir, o que contrasta com o amplo desdobramento ainda existente em edifícios governamentais próximos ao Ministério do Interior.

Na quarta-feira, dezenas de milhares de pessoas participaram da comemoração do primeiro aniversário da revolta popular que derrubou o regime de Hosni Mubarak, em uma jornada festiva que também teve espaço para reivindicações.

Em comunicado, a União de Jovens da Revolução, que representa oito partidos e nove movimentos políticos, anunciou que manterá os acampamentos na praça para que a revolução continue e haja uma verdadeira mudança no país.

Na nota, a organização denuncia que continuam os juízos militares contra civis, que a Lei de Emergência não será derrogada completamente e que "a situação vai de mal a pior, o que significa que depois de um ano a revolução acabou com Mubarak, mas não com seu regime". 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Primavera ÁrabeTahrir

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.