Egito começa a julgar líder da Irmandade Muçulmana; estudantes protestam

O líder da Irmandade Muçulmana, Mohamed Badie, se voltou contra seus acusadores nesta segunda-feira, quando apareceu em uma corte pela primeira vez desde sua prisão, após a derrubada do presidente islamista Mohamed Mursi pelo Exército.

Reuters

09 de dezembro de 2013 | 19h50

"Por que vocês não estão investigando a morte do meu filho, e o incêndio da minha casa e dos escritórios do grupo?", perguntou Badie ao juiz, referindo-se ao filho de 38 anos, morto em agosto, quando a repressão ao grupo estava em seu momento mais sangrento.

A violência irrompeu novamente nesta segunda-feira, quando a polícia lançou gás lacrimogêneo contra partidários de Mursi que protestavam na Universidade Azhar, palco de frequentes protestos contra o governo apoiado pelos militares.

Os manifestantes puseram fogo em carros da polícia, disseram testemunhas, e 58 estudantes foram presos, de acordo com uma autoridade.

No início de seu julgamento em uma academia de polícia onde Mursi foi a julgamento no mês passado, Badie, principal dirigente da Irmandade, disse que o movimento islamista não promoveu violência. Essas foram as primeiras declarações dele desde a prisão, em 20 de agosto.

Badie é acusado de incitar a violência durante uma manifestação da Irmandade na Universidade do Cairo, em meados de julho.

(Por Tom Perry e Shadia Nasralla)

Tudo o que sabemos sobre:
EGITOIRLMANDADEJULGAMENTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.