Egito confirma pena de morte a líder da Irmandade Muçulmana

A Justiça do Egito condenou à morte o líder da Irmandade Muçulmana, Mohammed Badie, e outras 13 pessoas. Mohammed Soltan, que detém dupla cidadania - egípcia e americana -, foi sentenciado à prisão perpétua sob a acusação de financiar movimentos contra o governo e divulgar notícias falsas.

Estadão Conteúdo

11 de abril de 2015 | 11h00

Mohammed Soltan é filho de Saleh, um importante membro da Irmandade Muçulmana, e foi preso em agosto de 2013, quando as forças de segurança foram a sua casa em busca de seu pai. Na ocasião, Saleh não foi encontrado e Soltan foi levado preso.

Saleh está entre os que foram condenados à morte. Além de Soltan, outras 36 pessoas foram condenadas à prisão perpétua. Nenhum dos acusados estava presente no Tribunal quando as sentenças foram dadas. Fonte: Associated Press

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoIrmandade Muçulmana

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.