Egito congela ativos de Mubarak e o proíbe de viajar

O Egito impôs uma proibição de viagens para o presidente deposto Hosni Mubarak e sua família, disseram hoje funcionários do Judiciário. Além disso, os ativos do ex-líder foram congelados.

AE, Agência Estado

28 de fevereiro de 2011 | 10h06

Além de Mubarak, que renunciou no último dia 11, após 18 dias de protestos, a decisão também se aplica a sua mulher, Suzanne, a seus dois filhos, Ala e Gamal, e às esposas deles, disse uma fonte, pedindo anonimato. Mubarak renunciou após comandar o país por três décadas, deixando o controle do Egito para o exército. Ele seguiu para o balneário de Sharm el-Sheikh, no Mar Vermelho, no sul do país.

No último dia 21, o procurador-geral do Egito, Abdel Magid Mahmud, requereu o congelamento dos ativos no exterior do ex-presidente e de sua família. O procurador encarregou o ministro das Relações Exteriores, Ahmed Abul Gheit, de contatar os outros países para conseguir esse congelamento.

Um funcionário do Judiciário disse na época que o escritório do procurador havia recebido várias reclamações por causa da riqueza de Mubarak no exterior, o que "necessita de uma investigação". Acredita-se que Mubarak tenha enriquecido durante seu governo, mas um assessor que pediu anonimato disse que os rumores sobre uma fortuna multimilionária não são verdadeiros.

A França anunciou na quarta-feira passada que respeitará o pedido egípcio. A Suíça congelou os ativos de Mubarak horas após sua renúncia, dizendo que o ex-presidente possuía "dezenas de milhões de francos" em instituições do país.

Mubarak, de 82 anos, não apareceu em público desde sua renúncia. O sumiço gerou especulações sobre seu estado de saúde. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EgitopolíticaMubarak

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.