Egito detém mais de 100 membros da Irmandade Muçulmana

Os órgãos de segurança egípcios detiveram mais de cem membros e simpatizantes do ilegalizado, mas influente, movimento da Irmandade Muçulmana, entre eles vários líderes, confirmou o "número dois" do grupo, Mohamad Habib.Entre os detidos, está Khairat al-Shater, considerado a terceira personalidade mais importante da organização, assim como seu genro, Ayman, disse Habib. Também afirmou que a maioria dos detidos estuda na Universidade de Al-Azhar, no leste do Cairo. Fontes policiais confirmaram as detenções, mas não explicaram os motivos.Estas detenções acontecem poucos dias depois de alguns estudantes de Al-Azhar organizarem uma marcha dentro do campus universitário, com uniformes pretos semelhantes aos usados pelos milicianos de grupos islâmicos como o Hezbollah.Habib disse que as detenções "fazem parte de uma campanha do regime e dos órgãos de segurança contra a Irmandade" após este desfile, mas insistiu que "não temos milícias nem ordenamos que nossos jovens realizem exercícios violentos". O "número dois" da organização admitiu que "o que aconteceu no campus universitário foi uma ação individual e inaceitável para nós, já que contradiz nossa política de introduzir reformas e conseguir amudança (do regime) por meios pacíficos". As novas detenções ocorrem uma semana depois de as autoridades colocarem em liberdade dois dirigentes da Irmandade Muçulmana, entre eles Esam al-Iriyan, membro do Conselho de Orientação (máxima instituição do grupo), após vários meses de detenção sem julgamento. O movimento da Irmandade Muçulmana, criado em 1928 e ilegalizado em 1956 pelo então presidente egípcio Gamal Abdel Nasser, ocupa 88 das 454 cadeiras do Parlamento, o que o torna a segunda força na Câmara, depois do governante Partido Nacional Democrático (PND), do presidente Hosni Mubarak. Seus membros participam das eleições como independentes, já que oregime se nega a legalizar o grupo, sob o pretexto de que a Constituição não permite a criação de partidos políticos que tenham idéias e bases religiosas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.