Egito diz que Irmandade é bem-vinda para transição

Autoridades egípcias reforçaram neste sábado que membros pacíficos do movimento Irmandade Muçulmana, do presidente deposto Mohammed Morsi, poderiam participar do momento de transição do país.

AE-DJ, Agência Estado

17 de agosto de 2013 | 17h40

"Qualquer um da Irmandade Muçulmana ou mesmo que não faça parte dela que gostaria de voltar a participar da marcha pacífica do Egito para o futuro será bem-vindo", disse o conselheiro presidencial Mustafa Hegazy. Ele acrescentou que o Egito acolhe todas as pessoas que não tenham cometido atos terroristas.

Fundada em 1928, a Irmandade Muçulmana chegou ao poder há um ano, quando Morsi foi eleito na primeira votação livre do país. A eleição ocorreu após a derrubada do ex-ditador Hosni Mubarak por um levante popular, em 2011.

O primeiro-ministro Hazem al-Beblawi advertiu, no entanto, que não haveria "reconciliação com aqueles que desobedecem as leis e que têm sangue em suas mãos". Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Egitoirmandade muçulmana

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.