Egito diz que protestos deixaram pelo menos 384 mortos

Os protestos no Egito que levaram ao fim do governo do presidente Hosni Mubarak deixaram pelo menos 384 pessoas mortas e 6.467 feridas, segundo informou o Ministério da Saúde do país hoje. "A mais recente contagem, baseada em informações de hospitais e órgãos de saúde, mostra que 384 pessoas foram martirizadas, enquanto 6.467 foram tratadas de ferimentos", afirmou o ministro da Saúde, Sameh Farid, em comunicado. O número final de mortos ainda será anunciado, segundo ele.

AE, Agência Estado

22 de fevereiro de 2011 | 11h50

As manifestações começaram em 25 de janeiro, exigindo o fim do regime de três décadas de Mubarak. Houve confrontos entre manifestantes e as forças de segurança, e também entre pessoas pró e contra o ex-líder, de 82 anos. Centenas de pessoas seguem desaparecidas, segundo grupos pelos direitos humanos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Egitoprotestosmortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.