Egito insiste que oferta de alimentos está garantida

CAIRO/LONDRES, 24 Fev - (Reuters)As importações de trigo do Egito estão caindo acentuadamente este ano, uma vez que perdura uma crise econômica e política, mas compradores estatais e privados insistem que ainda têm fundos para manter a nação abastecida com pão básico.

Reuters

24 de fevereiro de 2013 | 15h51

Autoridades egípcias e comerciantes reconhecem os problemas do governo com um déficit orçamentário crescente e reservas cambiais em queda, mas dizem que o Estado está alocando financiamento prioritário para as importações de trigo. Eles também estão apostando alguma esperança num aumento da produção doméstica.

Comerciantes estrangeiros e credores continuam céticos, apontando para uma grande queda tanto nos estoques de trigo --para fornecimento de cerca de três meses ante mais de sete em outubro passado-- e no número de navios de grãos que chegam aos portos egípcios.

Isso, acreditam, é uma evidência de que o fornecedor de grãos do Estado, a Autoridade Geral de Abastecimento de Commodities (GASC, na sigla em inglês) está enfrentando problemas em manter as importações.

"É uma preocupação constante de que a turbulência política e econômica está tornando um desafio para a GASC importar trigo", disse o diretor global de comércio e commodities do Rabobank, Karel Valken.

O Egito tem um histórico de problemas de abastecimento de trigo, mas manteve uma forte oferta de pães subsidiados-- que são vendidos para os pobres por apenas 5 piastras (menos de 1 centavo de dólar norte-americano)-- durante todo o levante popular que derrubou o presidente Hosni Mubarak em 2011.

(Reportagem adicional de Alexander Dziadosz no Cairo, Jonathan Saul em Londres e Valerie Parent em Paris)

Tudo o que sabemos sobre:
EGITOTRIGO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.