Egito investigará militares por mortes de manifestantes

O Egito iniciou um inquérito civil sobre as mortes ocorridas durante os 18 meses em que o conselho militar governou o país. Será a primeira vez que civis investigarão oficiais militares, normalmente protegidos de supervisão vinda de fora do Exército.

AE, Agência Estado

15 de outubro de 2012 | 12h32

Grupos de direitos humanos locais e internacionais vêm pressionando o presidente recém-eleito, Mohammed Morsi, a investigar o conselho militar que ficou no poder entre fevereiro de 2011, quando o ditador Hosni Mubarak foi deposto, até a eleição recente, em junho deste ano. Pelo menos 120 manifestantes foram mortos no período.

Não se sabe o quanto o inquérito avançará e se os generais poderão ser convocados para prestar depoimento, já que, antes de deixar o poder, o Supremo Conselho das Forças Armadas aprovou uma lei que protege seus integrantes.

Os egípcios apresentaram mais de 100 queixas contra os militares, acusando inclusive o marechal Hussein Tantawi e seu segundo em comando, o general Sami Anan. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Egitomilitaresinquérito

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.