Egito liberta assassino de ex-presidente

O governo do Egito soltou neste domingo o assassino do ex-presidente do país Anwar Sadat depois de 22 anos preso. Karam Zhody, que hoje tem 51 anos, foi libertado pelo ministro do Interior egípcio por sofrer de problemas cardíacos, de acordo com a agência de notícias oficial do país. A alegação oficial não anula o fato de que, pela lei egípcia, Karam Zhody já poderia estar fora da cadeia. Condenado à prisão perpétua, Zhody já deveria estar em liberdade há mais tempo porque a lei do país estebelece que a prisão perpétua normalmente dura 25 anos. Além disso, os anos são calculados a cada nove meses atrás das grades. Por estas regras, Zhody ficou cerca de quatro anos preso além do tempo. Líder do grupo Al-Gamaa al-Islamiyya, ou simplesmente Grupo Islâmico, Zhody participou do plano de assassinato do presidente egípcio em outubro de 1981. Ele passou os últimos 22 anos detido em uma prisão de alta segurança.

Agencia Estado,

28 Setembro 2003 | 18h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.