Egito marca julgamento de jornalistas da Al-Jazira

Jornalistas da rede Al-Jazira acusados de apoiar a Irmandade Muçulmana no Egito serão julgados a partir de 20 de fevereiro, informaram autoridades egípcias nesta segunda-feira.

AE, Agência Estado

10 de fevereiro de 2014 | 21h37

Desde a derrubada do presidente Mohamed Morsi do poder pelos militares em julho, a cobertura de eventos sangrentos contra a Irmandade feita pela rede Al-Jazira tem exasperado o governo interino do Egito.

A rede de TV baseada no Catar informou na semana passada que apenas "nove dos 20 detidos pertence ao quadro de funcionários da emissora".

Serão julgados 16 egípcios e quatro estrangeiros, incluindo o australiano Peter Greste, os ingleses Sue Turton e Dominic Kane e a holandesa Rena Netjes.

Apenas oito dos acusados está na prisão, incluindo Greste, chefe do escritório da Al-Jazira no Cairo.

Os 16 egípcios são acusados de pertencerem a uma "organização terrorista e de colocar em risco a segurança nacional e a paz social". Os quatro estrangeiros foram acusados de "colaborarem com os egípcios fornecendo dinheiro, equipamentos, informação e transmitirem notícias falsas com o objetivo de informar ao mundo que o país vive uma guerra civil". Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoAl-Jazeerajulgamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.