Egito marca um ano do fim da era Mubarak em protesto

Vários milhares de egípcios foram nesta sexta-feira à praça Tahrir, no centro do Cairo, homenagear em antecipação os manifestantes mortos há quase um ano e marcar os doze meses que levaram à queda do mandatário Hosni Mubarak, em 25 de janeiro do ano passado. Os ativistas organizaram as manifestações como parte de uma semana de "luto e protesto". Eles afirmam que os generais que tomaram o poder após a queda de Mubarak continuaram as políticas do antigo regime.

AE, Agência Estado

20 de janeiro de 2012 | 15h37

Nesta sexta, milhares de pessoas convergiram de vários bairros da cidade de 18 milhões de habitantes à praça Tahrir, que no ano passado serviu de epicentro para os protestos que levaram ao fim do regime de Mubarak em 11 de fevereiro. "Quando nós descemos aqui para esta praça em 25 de janeiro, as pessoas estavam contra nós. Mais tarde, nos chamaram de a geração que quebrou as barreiras quando Mubarak caiu", disse Shaima Zein, uma manifestante de 24 anos. "Mas a ditadura é o mesmo".

Muitas mulheres participaram da manifestação nesta sexta-feira. Elas pediram que a junta militar que governa o Egito desde a queda de Mubarak renuncie e também protestaram contra os soldados, que no mês passado arrastaram mulheres pelos cabelos, em um protesto, e pisotearam as manifestantes.

Um manifestante em Tahrir carregava um cartaz com um retrato de Mubarak e uma corda ao redor do pescoço do mandatário, manifestando o desejo que ele seja enforcado. Mubarak está em julgamento e pode mesmo ser sentenciado à morte. Entre 25 de janeiro e 11 de fevereiro do ano passado, as forças de segurança do Egito mataram 846 manifestantes, segundo dados do governo. Milhares de pessoas foram feridas.

A junta militar supervisionou as recentes eleições no Egito, as quais foram vencidas por partidos islamitas com quase 70% dos votos para o Parlamento de 498 cadeiras. A eleição foi considerada a mais justa na história moderna do Egito.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.