Egito pede o congelamento dos bens de Mubarak e de sua família

Segundo representante de ex-presidente, Mubarak entregou relatório financeiro à justiça

AE, Agência Estado

21 de fevereiro de 2011 | 11h53

CAIRO - O procurador-geral do Egito solicitou nesta segunda-feria, 21, o congelamento dos bens do ex-presidente Hosni Mubarak e de sua família no exterior. A decisão é tomada dez dias após Mubarak renunciar ao cargo, em meio a um levante popular contra o regime.

 

O procurador disse em um comunicado que ele havia pedido ao ministro de Exterior para usar canais diplomáticos para congelar os bens de Mubarak, sua mulher Suzanne e seus dois filhos, Gamal e Alaa, juntamente com o de suas esposas.

 

Um representante legal de Mubarak negou informações da mídia de que o ex-presidente havia acumulado uma enorme riqueza em seu gabinete, disse a agência de notícias oficial MENA no domingo.

 

"O ex-presidente Hosni Mubarak submeteu seu relatório financeiro final ao órgãos judiciais competentes de acordo com a lei", disse o representante de Mubarak.

Mubarak, de 82 anos, ficou no poder durante três décadas e renunciou após 18 dias de grandes protestos pelo Egito. Anteriormente, autoridades do novo governo, liderado pelos militares, já haviam solicitado a vários países o congelamento de bens de ex-funcionários do regime anterior. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoprotestosMubarakcongelamentobens

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.