Egito pediu que Saddam não fosse executado durante festa

O presidente egípcio, Hosni Mubarak, afirmou que pediu pessoalmente uma intervenção de George W.Bush para que Saddam Hussein não fosse executado durante a festa muçulmana do Sacrifício (Eid al-Adha), como acabou acontecendo.Numa entrevista concedida na noite de segunda-feira à agência egípcia Mena e publicada nesta terça-feira por toda a imprensa do país, Mubarak afirmou que previa uma deterioração da situação no Iraque se Saddam fosse enforcado num dia sagrado para os muçulmanos."Um dia antes, enviei uma mensagem a Bush lembrando que executar a Saddam durante a Festa do Sacrifício traria graves conseqüências. Foi uma surpresa descobrir, na manhã seguinte, logo antes das preces, que Saddam tinha sido justiçado", disse.Mubarak, um dos mais firmes aliados dos Estados Unidos no mundo árabe, mas crítico à situação no Iraque, considerou "bárbara" a forma como Saddam foi executado. "Não levaram em conta a sua humanidade", reclamou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.