Egito proíbe Mubarak de sair do país e congela bens do ex-presidente

Medidas também se aplicam a filhos e esposa do líder egípcio deposto

Efe

28 de fevereiro de 2011 | 08h24

CAIRO -  O promotor geral do Egito, Abdel Magid Mahmud, anunciou nesta segunda-feira, 28, que o ex-presidente Hosni Mubarak e sua família estão proibidos de deixar o país. Mahmud fez o anúncio em uma entrevista coletiva, mas não forneceu mais detalhes. Segundo a emissora de televisão estatal egípcia, a Promotoria Geral também determinou o congelamento dos bens de Mubarak e de sua família.

 

No último dia 21, o órgão já havia solicitado ao Ministério das Relações Exteriores o congelamento das contas no exterior do ex-presidente egípcio, de sua esposa Suzanne, de seus dois filhos, Alaa e Gamal, assim como de suas esposas.

 

Mubarak se retirou com sua família para o balneário de Sharm el-Sheikh, na península do Sinai, depois de anunciar sua renúncia, em 11 de fevereiro, após 18 dias de protestos massivos que pediam sua saída do poder.

 

O argumento para a decisão da Promotoria são as suspeitas de que Mubarak teria adquirido parte das suas despesas de forma ilegal. Segundo informações da imprensa internacional, o ex-presidente egípcio tem uma fortuna que ultrapassa os bilhões de dólares. Um tribunal penal de Cairo deverá iniciar a apuração do caso no dia 5 de março.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.