Egito proíbe testes de virgindade em mulheres detidas

Um tribunal no Egito proibiu que os militares realizem "testes de virgindade" em mulheres detidas, uma prática que tem mobilizado ativistas e grupos de direitos humanos. A decisão desta terça-feira ocorre após uma das mulheres abusadas apresentar duas ações contra a prática militar, um pedindo que a prática seja banida e a outra acusando um oficial de agressão sexual.

AE, Agência Estado

27 de dezembro de 2011 | 15h24

As alegações de testes de virgindade surgiram pela primeira vez após um protesto no dia 9 de março na Praça Tahrir, no Cairo, que se tornou violento quando homens à paisana atacaram manifestantes e o exército tirou as pessoas da praça à força. A organização Human Rights Watch disse que sete mulheres foram submetidas aos testes. Os militares negaram a prática, mas um promotor militar disse que o exército está investigando o assunto. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Egitoviolênciatestes de virgindade

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.