Mohammed Asad/AP
Mohammed Asad/AP

Egito promete aos Estados Unidos que deixará de reprimir ONGs

Operação das forças militares egípcias confiscou computadores e documentos de entidades

Reuters

30 de dezembro de 2011 | 18h40

WASHINGTON - Uma autoridade americana disse ter recebido nesta sexta-feira, 30, garantias de que o governo do Egito vai parar de intimidar entidades de direitos humanos e promoção da democracia e que devolverá bens apreendidos durante operações policiais nesta semana, as quais motivaram críticas duras de Washington.

 

Veja também:
especialINFOGRAFIA: 
A lenta agonia de Hosni Mubarak

video TV ESTADÃO: Editor comenta eventos da Primavera Árabe
especialMAPA: A revolta que abalou o Oriente Médio
tabela ESPECIAL: Um ano de Primavera Árabe
especialESPECIAL: Veja a retrospectiva da Internacional
tabela ESPECIAL: Veja a retrospectiva de 2011

 

A embaixadora dos Estados Unidos no Cairo, Anne Patterson, voltou a conversar com a cúpula militar egípcia nesta sexta-feira para pressionar as autoridades locais a permitirem a normalização das atividades das ONGs, segundo uma fonte que falou à Reuters.

 

"A embaixadora buscou e recebeu garantias da liderança egípcia de que as ações policiais irão cessar e que os bens serão devolvidos imediatamente", disse o funcionário, pedindo anonimato.

 

A polícia egípcia invadiu na quinta-feira as sedes de 17 ONGs, algumas das quais patrocinadas pelos EUA, por causa de uma suposta investigação sobre o financiamento estrangeiro às entidades. Os EUA reagiram ameaçando veladamente retirar a ajuda militar anual de 1,3 bilhão de dólares ao Cairo.

 

As ONGs de direitos humanos e defesa da democracia foram importantes no movimento popular que derrubou o presidente Hosni Mubarak, em fevereiro, dando lugar à formação de uma junta militar. Elas também fazem frequentes críticas à forma como as forças de segurança do país reprimem manifestações pela aceleração da transição para um governo civil.

Entre as entidades invadidas na quinta-feira estão o Instituto Internacional Republicano e o Instituto Nacional Democrata, informalmente ligados aos dois grandes partidos políticos norte-americanos, e que recebem verbas do governo dos EUA para programas de promoção da democracia no Egito e em outros países.

A fonte que falou à Reuters disse que Patterson concordou em participar de um diálogo com as autoridades egípcias "para resolver questões subjacentes relacionadas à operação de ONGs patrocinadas pelos EUA, de forma transparente e aberta". "Essas ONGs devem ser autorizadas a operar livremente, como fazem em países do mundo todo, em apoio à democracia e a eleições livres", disse a fonte.

A junta militar egípcia promete transferir o poder a um presidente civil em meados de 2012, mas muitos ativistas dizem que as Forças Armadas querem preservar seus privilégios e seus interesses empresariais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.