Manoocher Deghati/Reuters
Manoocher Deghati/Reuters

Egito recupera paulatinamente a normalidade após a revolução

Praça Tahrir, epicentro dos protestos contra o regime de Mubarak, foi reaberta parcialmente ao tráfego

Efe,

13 de fevereiro de 2011 | 06h00

CAIRO - O Egito começa a recuperar o ritmo normal de suas atividades econômicas, quase paralisadas desde o final do mês passado, com o início neste domingo de sua primeira semana de trabalho após a revolução que derrubou o presidente Hosni Mubarak.

Veja também:

especialInfográfico: A lenta agonia de Hosni Mubarak

blog Cronologia: O dia a dia da crise egípcia

video TV Estadão:  Alegria nas ruas do Cairo

blogArquivo: A Era Mubarak nas páginas do Estado

lista Perfil: 30 anos de um ditador no poder

Como uma indicação desse retorno paulatino à normalidade, a Praça Tahrir, epicentro dos protestos contra o regime de Mubarak, foi reaberta parcialmente ao tráfego, embora ainda houvesse tendas de campanha de grupos de manifestantes.

Muitas lojas fecham tradicionalmente aos domingos, mas a maioria das empresas privadas e as repartições públicas iniciam sua semana laboral, e já desde as primeiras horas desta manhã se via que o Cairo recuperava seu ritmo normal.

O primeiro-ministro do Governo provisório, Ahmed Shafiq, que se mantém em suas funções após ter sido nomeado por Mubarak no dia 29 de janeiro, convocou a imprensa na sede do gabinete.

Para Shafiq, um general da Força Aérea que vai se aposentar, será a primeira vez que comparece perante os jornalistas desde a renúncia de Mubarak, na sexta-feira passada. Até agora, os únicos anúncios oficiais partiram das Forças Armadas.

O Conselho Supremo das Forças Armadas, ao qual Mubarak entregou o poder, anunciou neste sábado que todos os membros do Governo anterior à revolução, assim como os governadores provinciais, se mantêm em seus postos.

Mas seu mandato é provisório, "até que seja formado um novo Governo", segundo anunciou em seu comunicado número 4 o Conselho.

Nessa nota, os militares egípcios se comprometeram a uma "transição pacífica de autoridade" e entregar o poder a autoridades civis que sejam escolhidas em eleições livres e que tenham a missão de "construir um estado livre e democrático".

Mas para esse compromisso não estabeleceu datas, e também se desconhece que passos concretos os militares adotarão quanto às outras instituições, como o Parlamento, e a reforma da Constituição e outras leis fundamentais.

Leia ainda:

linkPremiê israelense elogia declaração do Egito sobre tratados

linkComando militar egípcio diz que respeitará tratados internacionais

linkAs últimas horas de Mubarak no poder

Tudo o que sabemos sobre:
Egitointernacionalprotestos no Egito

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.