Amr Nabil / Efe
Amr Nabil / Efe

Egito se prepara para referendo constitucional

Votação, que ocorre nos dias 14 e 15, terá 75 observadores internacionais da Liga Árabe

O Estado de S. Paulo,

13 de janeiro de 2014 | 11h18

(Atualizada às 14h08) CAIRO  - Uma equipe da Liga Árabe, formada por 75 observadores, viajou nesta segunda-feira, 13, para várias províncias do Egito para começar o trabalho de supervisão do referendo constitucional que ocorrerá amanhã e na quarta-feira. A Irmandade Muçulmana e outros grupos islamistas pediram o boicote ao plebiscito e convocaram uma semana de protestos.

O partido Força Egito, liderado por Abdel-Moneim Abolfotoh, anunciou o boicote depois de diversos integrantes da legenda terem sido presos por forças de segurança enquanto faziam campanha pelo "não" à nova Constituição.

A expectativa é que os observadores monitorem 75% dos eleitores, o que, segundo o chefe da missão, Haifa Abu Gazale, em comunicado, é uma proporção grande e muito representativa. "O esquema de segurança oferecido pelas autoridades egípcias renova as esperanças de um processo tranquilo", disse.

Abu Gazale se reuniu nos últimos dias com os vice-ministros egípcios das Relações Exteriores e de Interior, e hoje com Nabil Saliba, presidente da Comissão Suprema Eleitoral, que deu toda a informação necessária.

"A Liga Árabe participa do acompanhamento do referendo porque é um dos papéis centrais da organização", disse Abu Gazale, que elogiou o papel dos observadores árabes que participaram de missões em 50 países do mundo.

Logo depois do golpe de Estado que derrubou o presidente Mohammed Morsi em 3 de julho, o Exército estabeleceu um roteiro que inclui o referendo sobre a reforma constitucional e eleições legislativas e presidenciais. / EFE e AP

Tudo o que sabemos sobre:
Egito

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.