Egito suspenderá estado de emergência na quarta-feira, diz governo

Militares, porém, anunciam que manterão medidas de segurança para 'alguns casos'

Reuters e Associated Press

24 de janeiro de 2012 | 13h54

CAIRO - O chefe do conselho militar que governa o Egito, o marechal Mohamed Hussein Tantawi, disse nesta terça-feira, 24, que decidiu suspender o estado de emergência a partir de quarta-feira, com exceção de alguns casos.

 

Veja também:
especialMAPA: 
A revolta que abalou o Oriente Médio
mais imagens OLHAR SOBRE O MUNDO: Imagens da revolução
tabela ESPECIAL: Um ano de Primavera Árabe 

 

"Tomei a decisão de acabar com o estado de emergência", afirmou o marechal em um discurso televisionado, complementando que a medida ainda seria aplicável em casos de "bandidagem". Ele não especificou o que isso abrange.

 

"Não é uma suspensão real do estado de emergência", disse Essam Sultan, um deputado recém-eleito pelo partido Wasat, de orientação islâmica moderada. "A decisão envolve encerrar o estado de emergência completamente ou mantê-lo completamente, não há meio termo", completou.

 

Tantawi e o Supremo Conselho das Forças Armadas chegaram ao poder depois que Hosni Mubarak renunciou, há pouco menos de um ano. A decisão de levantar parcialmente as leis de emergência, que estão em vigor há décadas, não devem agradar aos grupos que defendem os direitos humanos, pois criticaram constantemente o uso do termo "bandidos" para justificar a violência contra os manifestantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.