Egito: tribunal suspende eleições parlamentares de 22 de março

Um tribunal do Egito determinou nesta terça-feira a suspensão das próximas eleições parlamentares do país, marcadas para 22 de março, ratificando uma decisão anterior da Suprema Corte Constitucional que havia julgado que as leis que regulam o pleito são inconstitucionais. A decisão é do juiz Yahia Dakrouri, do Tribunal Administrativo. Agora, a comissão eleitoral irá definir uma nova data para a eleição.

AE, Estadão Conteúdo

03 Março 2015 | 18h17

O governo está trabalhando pela alteração da lei. Após a decisão da Suprema Corte, tomada no domingo, o Comitê Supremo Eleitoral havia declarado que somente iria divulgar um novo calendário eleitoral quando a legislação estivesse adequada pelos parlamentares. Ainda não ficou claro quanto tempo demorará para que as alterações sejam feitas, mas a votação no Parlamento foi adiada diversas vezes.

A eleição parlamentar seria a primeira desde a deposição do presidente islamita Mohammed Morsi por militares.

O Egito não tem eleições parlamentares formado desde 2012, quando a Suprema Corte Constitucional determinou que a Câmara Baixa do parlamento não havia sido constitucionalmente eleita.

O pleito havia sido amplamente vencido pela Irmandade Muçulmana, que agora é considerada oficialmente uma organização terrorista e milhares de seus membros, incluindo a maioria dos seus principais líderes, estão presos.

Após a deposição de Morsi, o governo de transição determinou um referendo para uma nova Constituição e uma eleição presidencial, realizada em 2014 e na qual o ex-general Abdel-Fattah el-Sissi ganhou com folga. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Egito Eleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.