Egito vê 'avanço lento' em negociações entre Israel Palestina

O presidente egípcio, Hosni Mubarak, vêsinais de "avanços lentos" nas negociações de pazisraelo-palestinas, e espera que seja possível fechar um acordoentre as partes este ano, disse no sábado a agência estatal denotícias do Egito. "Há indicativos de progresso lento entre as duas equipesnegociadoras, mas é importante e necessário um acompanhamento--especialmente por parte dos EUA-- para superar asdificuldades nas conversações", disse Mubarak em declaraçõesdivulgadas pela agência MENA. Aliado de Washington cujo país foi o primeiro no mundoárabe a firmar um tratado de paz com Israel, em 1969, Mubaraknão deu detalhes sobre o tipo de avanços que estariam sendofeitos. Os EUA esperam conseguir um tratado de paz entre opresidente palestino Mahmoud Abbas e o primeiro-ministroisraelense Ehud Olmert antes do término do mandato dopresidente americano George W. Bush, em janeiro de 2009. Mas oavanço das conversações vem sendo lento. Na terça-feira, as duas partes concordaram em acelerar asnegociações, obstruídas por disputas sobre planos de Israel deconstruir novas casas para israelenses perto de Jerusalém e ainsistência de Olmert em adiar a discussão sobre a situação dacidade santa. As incertezas relativas à Faixa de Gaza e a questões desegurança também têm dificultado as negociações, cujo objetivoúltimo é a criação de um Estado palestino. "Espero sinceramente que os lados palestino e israelensecheguem a um acordo de paz neste ano, como prometeu opresidente Bush em sua última visita à região", disse Mubarak. "Mas a questão requer o envolvimento sério dos EUA e dasoutras partes do Quarteto internacional (de mediadores noOriente Médio) no difícil processo de negociação das questõesdo status final." Mubarak disse que o Egito está trabalhando pelo fim dobloqueio israelense da Faixa de Gaza e a reabertura do posto detravessia de Rafah, entre Gaza e Egito, segundo o acordovigente antes da tomada de Gaza pelos militantes islâmicos doHamas, em junho. Na cidade de El Arish, no Sinai, no sábado, uma delegaçãoegípcia de segurança teve outra rodada de discussões comrepresentantes do Hamas sobre o status do posto de Rafah, ondeo Hamas quer exercer papel chave. Militantes do Hamas abriram a fronteira entre Gaza e oEgito à força no mês passado, deixando dezenas de milhares depalestinos entrar no Egito para procurar suprimentos, fugindodo bloqueio. Desde então, a fronteira foi fechada outra vez. Um representante do Hamas nas discussões em El Arish disseque a organização pediu ao Egito que reabra a fronteira portrês dias para permitir o retorno de moradores da Faixa de Gazaque ainda estão no Egito. O Egito teria concordado em analisaro pedido e teria pedido calma na fronteira. O governo egípcio diz que gostaria que a AutoridadePalestina assumisse o controle do posto de travessia, masMahmoud Abbas e seu grupo Fatah exercem pouca influência naFaixa de Gaza.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.