EI aceita lealdade do Boko Haram, afirma porta-voz de jihadistas

Em gravação de áudio, Abu Mohamed al-Adnani também ameaça cristãos e judeus e diz que ataques não afetaram o grupo

BEIRUTE, O Estado de S.Paulo

13 Março 2015 | 02h03

O grupo radical Estado Islâmico (EI), que controla grandes regiões no norte da Síria e do Iraque, aceitou a promessa de lealdade feita pelo grupo radical nigeriano Boko Haram no fim de semana. A aprovação de Abu Bakr al-Baghdadi, líder do EI, ao compromisso dos nigerianos foi divulgada ontem em uma mensagem de áudio do porta-voz do EI, Abu Mohamed al-Adnani.

"Nosso califa, que Alá o abençoe, aceitou o compromisso de lealdade de nossos irmãos do Boko Haram, então saudamos os muçulmanos e nossos irmãos da Jihad na África Ocidental", disse Adnani, referindo-se ao líder do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi.

No sábado, o Boko Haram divulgou na internet um vídeo no qual seu líder jurava lealdade ao Estado Islâmico. "Nós proclamamos nossa fidelidade ao califa (Abu Bakr al-Baghdadi). Nós vamos obedecer em tempos de dificuldade e prosperidade", dizia a gravação, atribuída a Abubakar Shekau, líder do Boko Haram.

Ameaças. Na gravação divulgada ontem, o porta-voz do EI pediu aos muçulmanos que não possam se juntar ao combate na Síria e no Iraque para participarem da luta na África.

Adnani também ameaçou cristãos e judeus. "Se quiser salvar seu sangue e seu dinheiro e viver a salvo de nossas espadas, você têm duas escolhas: se converter ou pagar jizya", afirmou, se referindo ao imposto obrigatório para os não muçulmanos que vivem no território controlado pelo EI. "(Caso contrário), você roerá suas unhas com remorso."

O porta-voz dos jihadistas também negou que o grupo tenha sofrido reveses recentemente em razão dos ataques das forças curdas e iraquianas e dos bombardeios da coalizão liderada pelos Estados Unidos. "O Estado continua firme, tornando-se mais forte e vitorioso." / REUTERS e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.