Militant video via AP, File
Militant video via AP, File

EI divulga áudio supostamente gravado por líder considerado morto

Gravação ainda será verificada por órgãos independentes e, se for verdadeira, indicará que Abu Bakr al-Baghdadi continua vivo

O Estado de S.Paulo

23 Agosto 2018 | 04h33

BEIRUTE - O Estado Islâmico (EI) divulgou nesta quinta-feira, 23, um áudio supostamente gravado pelo seu líder, Abu Bakr al-Baghdadi, cujo paradeiro e estado de saúde permanecem desconhecidos. A gravação urge aos extremistas a "perseverar" na luta contra os "infieis" em todo o mundo.

O áudio tem 54 minutos de duração e trata de assuntos contemporâneos, como as comemorações do feriado muçulmano da Festa do Sacrifício, celebrado neste mês, e as tensões entre a Turquia e os Estados Unidos pela prisão do pastor americano Andrew Brunson, que levou à escalada comercial entre as nações. Al-Baghdadi também critica a rendição de rebeldes no sul da Síria após cerco das forças do presidente Bashar Al-Assad em julho e pediu ao grupo que se filie à organização terrorista.

A gravação ainda será verificada por órgãos independentes e, se for verdadeira, indicará que o líder terrorista continua vivo apesar dos rumores sobre sua morte.

No ano passado, forças russas declararam que al-Baghdadi provavelmente teria morrido durante um ataque aéreo contra a cidade de Raqqa, na Síria. O governo americano descartou essa possibilidade e afirmava que o líder terrorista estaria escondido no deserto nas proximidades da fronteira entre o Iraque e a Síria.

A última mensagem oficial de al-Baghdadi foi divulgada em setembro do ano passado e incitava extremistas a "queimar os inimigos" e "atacar os veículos de imprensa". Sua última aparição pública ocorreu em 2014 na cidade de Mosul, no norte do Iraque. Desde então, o Estado Islâmico perdeu cerca de 90% do território que considerada ser um "califado" após sucessivas derrotas contra forças de países ocidentais, dos governos sírio e iraquiano e também da Rússia. //ASSOCIATED PRESS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.