AP Photo/Kevin Hagen
AP Photo/Kevin Hagen

EI diz que Paris é a capital do 'adultério e do vício'

O grupo diz que os ataques foram uma resposta contra a campanha militar da França contra o ele e os insultos no país ao profeta do Islã

O Estado de S. Paulo

14 de novembro de 2015 | 10h38

No comunicado em que o Estado Islâmico (EI) reivindicou os ataques em Paris, os militantes disseram que eles foram planejados para mostrar que a França continuará em perigo enquanto mantiver as atuais medidas contra os terroristas. O grupo diz que os ataques foram uma resposta contra a campanha militar da França contra ele e os insultos no país ao profeta do Islã. 

"Para ensinar a França e todas as nações que seguem seus passos que eles continuarão no topo da lista de alvos do Estado Islâmico e o cheiro de morte não deixará seus narizes enquanto eles tomarem parte da sua campanha de cruzadas", escreveu o grupo. 

O grupo disse ainda que "oito irmãos com explosivos na cintura e fuzis fizeram vítimas em lugares escolhidos previamente e cuidadosamente no coração de Paris" que eles chamaram de "capital do adultério e do vício". 

"Incluindo o estádio de futebol onde a França estava jogando com a Alemanha, e o teatro Bataclan, onde uma banda de rock americana estava tocando e milhares de apóstatas assistiam e participavam de uma festa adúltera", diz o comunicado, se referindo ao grupo Eagles of Death Metal. / REUTERS e EFE 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.