EI lança ataque suicida em Kobani para avançar na cidade

EI lança ataque suicida em Kobani para avançar na cidade

Região síria, perto da fronteira com a Turquia, está sitiada pelos jihadistas; no Iraque, grupo tomou o controle de um quartel militar

O Estado de S. Paulo

13 de outubro de 2014 | 14h48

AMÃ - Um homem-bomba do Estado Islâmico (EI) detonou um caminhão repleto de explosivos na cidade síria de Kobani, que está sitiada e fica perto da fronteira com a Turquia, nesta segunda-feira, 13, disseram fontes curdas e um grupo de monitoramento.


O ataque aconteceu em um distrito ao norte de Kobani, cidade que tem sido palco de pesados confrontos entre os jihadistas e forças curdas.

Idris Nassan, um oficial curdo em Kobani, disse que dois combatentes curdos ficaram feridos em razão do ataque suicida, o qual, aparentemente, buscava abrir caminho para os jihadistas avançarem ainda mais na cidade. "Eles tentaram avançar em direção ao cruzamento (da fronteira), mas a milícia curda os repeliu e eles não conseguiram ir adiante", disse Nassan à Reuters.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos, grupo que monitora o conflito, relatou mais confrontos nesta segunda dentro da cidade, onde ataques aéreos liderados pelos EUA até agora fracassaram em conter o avanço dos militantes.

No Iraque, o EI tomou o controle nesta segunda de um quartel militar na cidade de Hit, disse uma fonte de segurança, que pediu o anonimato.

O EI afirmou em comunicado que tomou o quartel após violentos choques com as forças iraquianas, que destruíram o local antes de sair. Vários soldados morreram. As forças iraquianas se deslocaram, com armas e equipamentos, para a próxima base militar de al-Baghdadi.

Os jihadistas também tomaram o controle de vários postos militares na estrada que leva à base militar de al-Baghdadi e nas aldeias que estão no caminho. / EFE e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Estado IslâmicoIraqueSíriaKobani

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.