Arquivo/AP
Arquivo/AP

EI posta lista com dados que seriam de soldados americanos e pede que eles sejam mortos

Endereço e informações sobre 100 militares foram obtidos a partir da pirataria e divulgados na internet; autenticidade não foi confirmada 

O Estado de S. Paulo

21 Março 2015 | 18h35

BEIRUTE - A chamada "divisão de pirataria" do grupo extremista Estado Islâmico (EI) divulgou neste sábado, 21, na internet, diversos endereços que seriam de soldados dos EUA e pediu que eles fossem mortos.

Em comunicado, cuja autenticidade não pôde ser verificada, o EI afirma que conseguiu piratear servidores militares, bases de dados e e-mails, onde obteve informação relativa aos militares americanos.

"Decidimos filtrar esses cem endereços para que nossos irmãos nos EUA possam tratar com eles", ameaçou. A organização terrorista acabou sua mensagem chamando extremistas para executarem ataques no território americano.

Na nota, o EI inclui as fotografias de supostos soldados dos EUA com seus nomes, categoria dentro do Exército e seus domicílios.

O grupo extremista proclamou um califado no final de junho na Síria e no Iraque, mas apesar de seus redutos principais ficarem nesses Estados, o grupo já realizou ataques em outros lugares do mundo.

O último foi sexta-feira 20 no Iêmen, onde assassinou ao menos 154 pessoas em atentados contra duas mesquitas xiitas em Sanaa. /EFE

Mais conteúdo sobre:
Estado Islâmico EI terrorismo EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.