EI retoma parte da cidade síria de Palmira

Cidade, patrimônio mundial da humanidade, tinha sido controlada por Assad em março

O Estado de S. Paulo

11 Dezembro 2016 | 10h07

O Estado Islâmico (EI) retomou ontem parte da cidade histórica de Palmira, na Síria. Os jihadistas haviam sido expulsos do local há cerca de oito meses. Forças do regime de Bashar Assad foram deslocadas para a região e começaram uma intensa batalha contra o grupo islâmico.

Palmira é patrimônio mundial da humanidade. Após ter conquistado a cidade, em maio de 2015, o EI destruiu parte dos templos e dos túmulos, o que foi considerado um “crime de guerra” pela Unesco. Em março, o Exército de Assad conseguiu expulsar o EI. Na ocasião, especialistas desativaram os explosivos colocados pelos jihadistas e disseram que seriam necessários cinco anos para refazer os monumentos destruídos.

A coalizão internacional liderada pelos EUA disse ontem ter matado Boubaker al-Hakim, principal líder do EI na Síria. Segundo o Departamento de Defesa, ele teria sido atingido por um bombardeio americano. “Aviões da coalizão localizaram e mataram o tunisiano Boubaker al-Hakim, em Raqqa, na Síria, no dia 26 de novembro”, disse Ben Sakrisson, porta-voz do Pentágono. 

Mais conteúdo sobre:
Estado Islâmico Síria Unesco Pentágono

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.