Eido é o 7º libanês proeminente assassinado em dois anos

Desde a morte de Hariri em 2005, opositores da Síria foram alvos de atentados

Agencia Estado

18 Junho 2007 | 11h59

O legislador Walid Eido, morto nesta quarta-feira, 13, é a sétima figura anti-Síria proeminente a ser assassinado nos últimos dois anos. Confira abaixo recentes ataques no Líbano, a maioria deles contra opositores de Damasco. 14 de fevereiro de 2005: O ex-primeiro-ministro Rafik Hariri é assassinado em uma explosão massiva. Bassel Fleihan, que serviu como ministro da Economia do governo Hariri, também morreu na explosão. A oposição culpa os governos da Síria e do Líbano, que negam as acusações. 2 de junho de 2005: O jornalista opositor à Síria e ativista Samir Kassir é assassinado por uma bomba instalada sob seu carro. 21 de junho de 2005: O político anti-Síria George Hawi, antigo líder do Partido Comunista, também morre em atentado com bomba em seu carro. 12 de julho de 2005: O vice-premier e ministro da Defesa, Elias Murr, sobrevive a uma explosão ocasionada por uma bomba em seu carro, ao dirigir pelas ruas de Beirute. Apesar de ser a favor da Síria, Murr disse que foi ameaçado pelo chefe da inteligência síria no Líbano. 25 de setembro de 2005: A famosa âncora de televisão May Chidiac, da principal estação anti-Síria de TV, a LBC, perde um braço e uma perna em um atentado a bomba sob seu carro. 12 de dezembro de 2005: Gibran Tueni, legislador e importante editor de um jornal opositor a Damasco, morre em um atentado a bomba que destrói seu carro. 21 de novembro de 2006: Pierre Gemayel, ministro da Indústria e político cristão importante, morre baleado em um subúrbio de Beirute. 13 de Junho de 2007: Morre Walid Edito, membro anti-Síria do Parlamento, assassinado junto a seu filho, dois seguranças e seis outras pessoas em uma explosão em Beirute.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.